Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mamã Zen, Mamã com estilo...

O blogue que retrata da vida de uma mulher após maternidade. Entre biberões e batons, um mundo cheio de descobertas ao estilo Zen.

Mamã Zen, Mamã com estilo...

O blogue que retrata da vida de uma mulher após maternidade. Entre biberões e batons, um mundo cheio de descobertas ao estilo Zen.

Dieta da Alma: O Desabafo

mandala.jpg

 

Há dias que é necessário desabafar. E não é porque aconteceu algo ou coisa do género.

 

É necessário e ponto.

 

Como hoje.

 

Já algum tempo que trago em mim o sentimento de ter que jogar fora o que vai na minha alma.

 

 

Porque sim.

 

 

Porque pesa e não quero carregar palavras, criar agonias e mau estar com o meu próprio eu, só porque necessito de falar, e ao contrário de o fazer, guardo para mim.

 

Ando cansada ... psicologicamente, da maldade dos outros. Da mesquinhice das pessoas. Da forma como vivem e aparentam aquilo que não são. 

 

Não sou perfeita, como é óbvio, mas não me consigo encaixar nesse tipo de gente que fala uma coisa e depois são outra, que usam a mentira, as doenças, etc,  para criar o bichinho da PENA. Não consigo suportar a má língua nas costas de uns, e a reuniões de hipocrisia que se fazem sentir nas costas de outros.

 

Tudo isto para quê?

 

Só tenho uma resposta.

 

Para não se sentirem sós, para se acharem os melhores do Mundo, para dar palmadinhas nas costas ao Sr. Ego.

 

 

Querem aparentar  FELICIDADE que na verdade não existe, nem sequer sabem o verdadeiro sentido da palavra.

 

Cada vez mais tenho tendência a afastar me de pessoas assim.

 

 

Pessoas que só se lembram de mim para pedir um favor, e nem sequer perguntam "como estás".

Não existe dias para questionar sobre nós, só há dias para apontar o dedo, e dizer o que és, mas claro, NEGATIVAMENTE, aquela parte em que dizem que não prestas, que não vales nada, que tens culpa de tudo o acontece à tua volta.

 

Dá o caso que não faças o favor que te pedem, ai sim viras a pior pessoa que existe a fase da Terra.

Esquecem-se é de tudo o que atrás foi feito. Que fomos capazes de parar a nossa vida por os outros. Simplesmente esquecem tudo.

 

Mas também esquecem que esta pessoa que pára a própria vida para viver a vida dos outros, chega a um dia que se cansa.

Cansa-se de fazer figuras de palhaça, de aturar caprichos, que põe um ponto final a tudo isto, e que passa a dar importância ao que realmente é de valor, e ao que realmente é importante: EU/NÓS.

 

Não vou passar a minha vida a dar "Améns" a quem não olha para mim com um pingo de sentimento. A quem não se preocupa com a nossa vida. A quem não diz simplesmente "Oi, estou aqui", "Oi, estou aqui mesmo que seja para rirmos juntos" , "Oi, estou aqui, mesmo que seja para ficar em silêncio".

 

Não vou...

 

Desabafos fazem parte da dieta da nossa alma e eu estou em dieta, em "arrumações" com o lado bom da vida.

Olhando para o importante, amando e respeitando o próximo, e praticando a gratidão por aqueles que dão um pouco deles por nós.

 

Desabafos fazem sentir nos mais leves. Como agora...

 

Fase-o.... se sentes que tens de o fazer. Seja de que forma for. A escrever, a vaguear, a falar para o ar, ou até contigo próprio. Vais ver o tão leve que vais sentir a tua alma. Faz-te bem a ti, e acredita que fará bem até a quem te rodeia.

 

Este foi um desabafo, com verdade, e com aprendizagem...

 

Grata pela oportunidade de o fazer, hoje com o post mais focado para o que sou, o que os outros são e o que afinal quero daqui em diante.

 

Namastê

 

Após depressão pós-parto: O Desmame...

Segunda-feira, e decidi vir aqui falar de algo pouco falado. Porque afinal na maternidade só se costuma mostrar as rosas e não os espinhos.

 

Talvez por vegonha, por aqueles que julgam sem saber ou sem passar "por elas", sem saber o que é realmente, o que é, e o que sentimos e como nos sentimos.

 

self-love.jpg

 

 

Já algum tempo que falei aqui no blogue de depressão pós parto, e passo-vos a deixar AQUI, um pouco da minha história.

 

Eu tive depressão pós-parto, finalmente que me sinto bem, mas está na hora do desmame dos medicamentos. E então? Então, mais um espinho onde estou constatemente a sentir a dor no meu corpo.

 

Fazer desmame de medicação para depressão, não é de todo fácil. Eu segui o tratamento à risca, e estou a fazer o desmame, após longos meses de tratamento, como me foi indicado pelo médico.

 

Mas sabem o que é um vulcão em constante erupção?!

 

Assim sou eu. O bom, é ter um marido compreensivel, e perceber que estou numa fase menos boa, para ficar numa fase fantástica. Porque o coitado é que sofre com as erupções do vulcão. O resto é tranquilo.

 

Só para quem me conhece bem, olha nos meus olhos e vê que durante o dia há momentos que mais vale estar calada, quietinha, sossegadinha, e depois de passar, já podem abrir a boca para falar comigo.

 

O que mais me tranquiliza, é que apesar deste fervilhar de sentimentos, só um me é constante e me calma: a minha filha.

 

É incrivel.

 

Talvez porque a ache especial...

 

Porque sou a Mamã dela e vejo super poderes de cura na minha menina.

 

Mas Mãe que é mãe é assim. Pode desabar o Mundo, mas se as crias estão bem, o resto não interessa.

 

Nesta fase de desmame de antidepressivos, é a fase que estou a concentrar todas as minhas energias em mim, pois necessito. 

 

Recebo o amor, a paz, a tranquilidade, daqueles que demonstram preocupação, amor e carinho por mim, dos poucos mas os melhores amigos que tenho e da minha familia.

 

Tem sido dificil aceitar, como foi de aceitar a depressão pós parto, que o desmame, faz me continuar a precisar de ajuda e de apoio dos meus queridos.

 

Mas nesta semana que refleti, que quis vir desabafar um pouco da minha vida aqui no blogue, porque poderá haver mais pessoas assim, sem talvez conseguirem compreenderem o que está a passar, perdi a vergonha de ser apontada como "olha esta está maluca", "passou-se" e finalmente aceitar mais uma vez a ajuda da familia e dos amigos, e olhar para tudo isto como uma realidade.

 

E que se dane a opnião dos outros.

 

Eu estou aqui, e depois desta fase, fico certamente FANTÁSTICA.

 

Porque a Mamã é forte, luta contra tudo para vencer, e tem os melhores a amá-la.

 

Agora um conselho a quem menos entende do assunto: Não julguem, ajudem...

 

Graças a Deus eu tenho quem o faça por mim, mas á muita gente a passar por a depressão pós parto, ou mesmo depressão, e até mesmo pela recuperação sózinhas. E estar só é como faltar o sol, num céu azul, completamente limpido.

 

Beijinhos a todos com muita coragem... e grata ao Universo por todos os ensinamentos que me tens dado.

 

 

Soraia Romão

Mamã Zen, Mamã com estilo...

 

 

 

Tudo com peso e medida...

E hoje não há resumo do dia anterior...até porque ao terceiro dia, decidi que as coisas tinham que ser do meu jeito e não do jeito dos livros.

 

 

 

Estarmos focados em dietas, só nos faz pensar naquilo que NÃO podemos comer, do que própriamente pensar na qualidade daquilo que devemos realmente comer.

 

Chega de restrições. 

 

Não prescindo do lanche em familia, pois devido aos nossos trabalhos, os momentos à mesa, são dos poucos momentos que podemos aproveitar para estarmos todos juntos. É como fosse o reencontro de todos, ao fim de um dia de trabalho. E acreditem que limitar-me a lanches, deixava-me completamente frustrada.

 

Chega de dizer não há fruta. Aliás, ao dia de ontem, quando finalmente comi fruta, a minha barriga, como por magia começou a regular-se.

 

Acreditam que no fim de três dias sentia-me pior do que quando tinha começado? Pois é, sentia-me.

 

No entanto não estou a dizer com isto tudo que levou-me a desistência por completo. Não. Simplesmente, e acreditem que com estes três dias, e os livros que li consegui ter um maior conhecimento sobre o que realmente ingerimos. E ter noção do que devo comer, e não. Qual o peso e medida certa dos alimentos que ingerimos.

 

Talvez eu estivesse errada, quanto à minha alimentação.

 

Ingeria em demasia, muitos hidratos de carbono, e poucas proteínas. Não equilibrava as minhas refeições principais. E mais, não olhava a rótulos para ter noção do que consumia.

 

Para quem é intolerante à lactose, como eu, não é mais um copo de leite magro a um lanche que vai fazer muita diferença. Pois a lactose, açucar natural do leite, está completamente abolido. E esse é um dos motivos porque não se pode consumir mais que um copo de leite por dia. 

 

Vou continuar a ter "medida" no que como, mas não vou viver em função e focada na alimentação. Não é bom para mim e penso que não é bom para ninguém.

 

No inicio achei que ia conseguir, e secalhar até conseguia, mas estou numa fase da minha vida que provavelmente tenho outras coisas que me preocupam mais do que isto. Como estar a 30 dias de subir ao altar.

 

Os nervos roem muito por dentro. Questiono-me todos os dias o que falta, de como vai ser, e isso já é bastante por momento.

 

Venho aqui da mesma forma que comecei, desabafar convosco a minha realidade e consequência do foco da dieta. Porque nós temos que ser nós e viver os momentos ao propósito que acontecem. Como disse, estou a 30 dias de casar e isso já é muito importante para mim. Afinal só caso uma vez na vida, com aquele que é o homem da minha vida e o pai da minha princesa.

 

A noiva está a preparar-se...e a curtir o momento. De momento, não quero pensar em mais nada do que isto e ser feliz.

 

Beijinhos muuito grandes da "Mamã Zen, Mamã com estilo..."  

 

 

Desabafos

E ontem não tivemos post...

 

Pois é, não houve post porque na realidade não me sentia "inspirada" para tal.

 

Quando escrevo gosto de escrever de coração, com sentimento, verdade, seja aquilo que for, mas já que estou aqui vou na mesma escrever com tudo aquilo que preservo.

 

 

 

Hoje não é um dia melhor que o de ontem, mas cá estamos, cá andamos...não podemos desistir, só porque encontramos uma pedra no caminho. Porque me sinto menos bem. Desiludida, ou "retraiada" com "Mundo".

 

Tem me custado imenso sair de casa, isto porque cada vez que saiu, há sempre um comentário menos agradável, como "Estás grávida?" , "Olha...olha a mais pequena vai ter um mano ou uma mana?", enfim...

 

Antes este tipo de comentários não me afetava, mas agora com uns quilinhos, não que esteja GORDA, exagerada, obesa,  com os comentários tão frequentes e menos agradáveis, nem sequer apetece sair de casa. A probabilidade de ouvir um comentário menos agradável ao sair de casa , é 1 em 1.

 

Sempre disse que não gosto de usar o blogue para temas menos positivos, mas como Mamã, penso que deve ser uma realidade que assiste a algumas Mamãs.

 

As pessoas nem nos questionam como está a nossa saúde. Gordura às vezes não é sinal de comer muito, ou uma má alimentação, às vezes há outras razões atrás. 

 

A crueldade e indelicadeza das pessoas tem me magoado, é como me sinto.

 

Depois como uma coisa nunca vem só, talvez pela minha sensibilidade mais á flor da pele, tudo afeta assim como tudo. HORMONAS, MULHERES buhhh

 

Bem, agora que desabafei um pouco, vim à "terapia" (blogue), sinto-me mais leve, agora vou dar uso ao título de Mamã.

 

Beijinhos meus amores, eu sou muito grata por o carinho que recebo de vós, mas há dias e dias...

 

"Mamã Zen, Mamã com estilo..."

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub